Salvador Sobral podia vencer... e venceu!


Ainda bem antes de eu sonhar sequer que iria ter um projeto de blog como este, andava perdido entre comentários aqui e ali em alguns artigos noticiosos. É verdade que adoro a interação e, sobretudo, aquela que o Disqus permite fazer.

Eu vi imensas críticas ao Salvador Sobral e à sua vitória no Festival RTP da Canção e, como não tinha visto na RTP1 o dito festival fui procurar ouvir essa música vencedora "Amar Pelos Dois" e qual não foi o meu espanto: ela era maravilhosa de tão simples e bem interpretada que era. Não entendi as críticas que faziam. Foi então que uma ideia à minha cabeça veio "E se ele ganhasse?!"...

Depois de uns dias - já com este blog no ar - veio a notícia que Salvador Sobral ganhou o Festival da Eurovisão e como, mais uma vez, não tinha podido ver na RTP1 vi na Internet e fiquei maravilhado.

Foi então que fui à procura de ver notícias sobre a vitória e percebi que havia muita gente a dar os parabéns... não sei se alguns deles colocaram como hipótese sequer que Salvador Sobral poderia vender, eu não sei mesmo, mas o que sei é que ele ganhou e um nunca percebi as críticas...

Numa notícia, um dos comentários me chamou à atenção pois começava com "Não vou ser hipócrita (...)" mas será o seu autor 'Jesus Tadeu Dias Campos' quis com isso dizer que alguns seriam...? Fiquei sem saber e também não lhe perguntei mas troquei algumas palavras no sentido de perceber o porquê deste não ter acreditado que Salvador Sobral poderia ganhar: a verdade é que quando comento algo nem sempre espero uma resposta mas desta vez ganhei-a. Nessa resposta, Jesus T D Campos, dizia que o motivo era o mesmo que o "levou a não acreditar nos seus compatriotas antecessores que (...) concorreram (...) sem nunca terem conseguido resultados de relevo" e acrescentava que "eventos desta natureza têm uma elevada componente de conjunção de interesses económicos e políticos".

Como para mim esta explicação não era uma explicação cabal, escrevi:

A sua "elevada componente de conjunção de interesses económicos e políticos" leva em conta os atuais desenvolvimentos sócio-económicos europeus? Leva em conta quais as praias têm sido escolhidas como "melhores do mundo"? Leva em conta quais são os destinos de férias mais procurados por "não portugueses"?
Ou será que leva em conta a ideia que eu tenho: os portugueses que vivem em Portugal não valorizam tanto o nosso país como os portugueses que vivem lá fora...?
Para mim, muitos dos portugueses que vivem em Portugal não percebem que Portugal é um país maravilhoso, sim, pois tem lugares maravilhosos, pessoas maravilhosas e sentimentos maravilhosos mas, depois, também, infelizmente, tem pessoas que não sabem valorizar o outro, que não sabem valorizar o Bem Comum.
Eu não sei em qual dos lados está mas, com certeza, se olhar bem dentro de si perceberá que se valorizasse verdadeiramente a boa música nunca teria duvidado de que PORTUGAL e SOBRAL poderiam ganhar.

Para mim, nós não podemos olhar o que tem acontecido em Portugal, sucessos após sucessos e não olharmos para trás e percebermos que nós - os Portugueses - alguns, e não todos, foram responsáveis pelos maiores feitos da História pois "navegamos por mares nunca de antes navegados", ultrapassamos enormes fronteiras como o Cabo Bojador.

É por isso que sei: nós sempre temos que ser apontados como prováveis vencedores e não, como alguns o fazem, o oposto!

Ismael Guimarães, AD

Sou um jovem adulto com muita tendência para a inovação. Tenho alguns projetos na gaveta que estão lá à espera do momento certo, de conhecer as pessoas certas ou de encontrar os parceiros certos.

Neste caso, esses parceiros teriam que ser da área do marketing, do webdesign e da fotografia, bem como da área do capital (de risco) pois sem dinheiro nada se consegue. Está bem presente em minha vida que Dinheiro gera Dinheiro!

Sem comentários:

Enviar um comentário